Obstetrícia

A Melhor Ferramenta do Médico...

E nisto em que eu acredito e é assim que eu trabalho:

IMG_20190401_194509_671.jpg

Nas Redes Sociais - Compartilhe!

40 anos do primeiro "bebê de proveta"!

upload.png

Hoje, 25/07/18, Louise Brown a primeira "bebê de proveta", ou seja, nascida de um procedimento de reprodução assistida através da técnica de fertilização in vitro (FIV), faz 40 anos! Estima-se que, desde aquele julho de 1978, cerca de 8 milhões de bebês pelo planeta tenham nascido de gestações decorrentes de uma FIV. Números realmente impressionantes!

Capa do jornal britânico "Daily Mail" em 25/07 de 1978.

Capa do jornal britânico "Daily Mail" em 25/07 de 1978.

Hoje, a FIV é amplamente disponível no mundo e realizada diariamente para auxiliar mulheres e casais que desejam engravidar. É verdade que o custo de todo procedimento (medicamentos incluídos) está longe de ser acessível para todos que poderiam se beneficiar e, infelizmente, as taxas de sucesso a cada ciclo de FIV não são as que nós médicos desejaríamos; entretanto, o avanço da tecnologia, novos estudos e novas técnicas de reprodução assistida tendem a colaborar para a redução dos custos e aumento da taxa de gestação a cada ciclo.

Parabéns, Louise Brown! Happy Birthday!

Leia artigo [em inglês] escrito pela própria Louise Brown e publicado em comemoração à esta data especial.

Louise Brown recém nascida.

Louise Brown recém nascida.

VEJA MAIS

Posts de OBSTETRÍCIA

Índice de Gineco.info

As duas primeiras semanas de desenvolvimento do embrião

Primeiros estágios de divisão celular do zigoto humano ( mórula )

Primeiros estágios de divisão celular do zigoto humano (mórula)

Novas técnicas permitem os cientistas compreenderem melhor o processo crucial do desenvolvimento do embrião nas primeiras duas semanas. Como um grupo de células consegue se fixar (nidar/nidação) na parede do útero e iniciar as primeiras e importantes diferenciações da estrutura embrionária?

Assista abaixo ao vídeo produzido pela NATURE, uma das mais prestigiadas editoras científicas do mundo: [Legendas em português disponíveis! Clique no ícone da engrenagem no vídeo e escolha a opção "Legendas" => "Traduzir automaticamente" => role a lista e clique em "Português".]

Maternidade Tardia e Congelamento de Óvulos

maternidade_tardia.jpg

MATERNIDADE APÓS OS 35 ANOS, este é o tema da edição de maio/2018 da Revista Marie Claire e também dúvida cada vez mais frequente no consultório de Ginecologia.

Não é novidade que muitas mulheres estão adiando os planos de gestação (ou então decidindo não ter filhos) devido à carreira profissional ou escolhas de vida fora do modelo considerado tradicional até há algumas décadas.

Entretanto, o relógio biológico não para e após os 35-37 anos de idade a redução da fertilidade natural é acelerada tornando uma gestação espontânea cada vez mais difícil (porém, não impossível!).

O avanço das técnicas de reprodução assistida (como a fertilização in vitro - FIV) vem auxiliar os casais com desejo de gestar. Mas, infelizmente, as taxas de sucesso destes tratamentos não são tão altas quanto gostaríamos.

Uma opção cuja popularidade vem pouco a pouco aumentando é o congelamento de óvulos, cujos resultados também são melhores quando feito antes dos 35 anos de idade.

congelamento_ovulos.JPG

Resumindo: a vida é cheia de opções e ter ou não filhos, podendo também decidir o melhor momento, está ao alcance da mulher moderna. Entretanto, não podemos ignorar as dificuldades que podem aparecer quando estes planos são um pouco adiados. Mas, com o devido acompanhamento os resultados tem sido cada vez mais felizes.

Matérias interessantes da Marie Claire sobre o tema:

Especialista em reprodução humana explica o passo a passo do procedimento e quais as novidades do assunto

“Como vou viver com cinco crianças? Pobre”, ri de si mesma Lia Bock, que engravidou de gêmeas aos quase 40 e já tem dois meninos, um de cada pai

Em fevereiro, aos 36, Mariana Weickert deu à luz Theresa, sua primeira filha. Aqui, ela mostra a menina pela primeira vez, e reflete sobre os dilemas de maternidade que a cercam

 

VEJA MAIS

7 dicas ANTES de começar a tentar engravidar!
As duas primeiras semanas de desenvolvimento do embrião

Índice de Gineco.info

7 dicas ANTES de começar a tentar engravidar!

Dicas para engravidar.jpg

Mulheres portadoras de DOENÇAS CRÔNICAS como hipertensão e diabetes devem, preferencialmente, estar controladas e bem acompanhadas ANTES de engravidar, assim como qualquer medicamento de uso diário precisa ser avaliado quanto ao risco de causar danos ao embrião e feto. Muitas vezes há opções de remédios menos perigosos para a gestação.

Outra dica importante é iniciar a suplementação diária de ÁCIDO FÓLICO (vitamina B9), através de comprimidos, ao menos dois ou três meses ANTES de engravidar, pois, ele é capaz de previnir algumas má formações fetais graves como a anencefalia.

Estas são apenas algumas recomendações. Se possível, procure orientação profissional para iniciar uma gestação sem surpresas e da melhor maneira possível. 🤰✅

-----------------------
Do Ministério da Saúde :
Está pensando em aumentar a família? Antes de começar a tentar engravidar é importante que a saúde esteja em dia.
Caso você já tenha algum problema de saúde, como epilepsia, asma ou diabetes, é fundamental procurar um profissional de saúde para pensar em opções de cuidado e controle da doença durante a gestação.

Confira as dicas:

  1. Controle o peso
  2. Pare de fumar
  3. Diminua o consumo de álcool (não há dose segura estabelecida para a gravidez)
  4. Interrompa o uso de contraceptivos
  5. Procure orientação profissional
  6. Acompanhe o ciclo menstrual
  7. Saiba o melhor momento para tentar

VEJA MAIS

As duas primeiras semanas de desenvolvimento do embrião

Maternidade Tardia e Congelamento de Óvulos

Índice de Gineco.info

Riscos da Amamentação Cruzada

amamentação cruzada.png

Amamentação cruzada, não!
A boa intenção pode esconder risco de infecções. Na dúvida entre em contato com um Banco de Leite (disponível em algumas Maternidades).
Localize o Banco de Leite Humano mais próximo emhttps://rblh.fiocruz.br/localizacao-dos-blhs

"No Brasil a proibição da amamentação cruzada é lei, conforme o estabelecido pela Portaria n° 1.016, de 26 de agosto de 1993, a qual dispõe sobre a proibição da amamentação cruzada, ou seja, proíbe que as mães amamentem outros recém-nascidos que não os seus ou que permitam que seus filhos sejam amamentados por outra nutriz."

ATENÇÃO! Não caia em golpe

golpe.jpg

Informação importante sobre abortamento provocado

NÃO TRABALHO dentro ou fora de meu consultório com nenhuma ONG ou qualquer outro tipo de organização nacional ou internacional que se diga FACILITADORA da realização de abortos provocados.

Que fique claro também: não estou entrando no MÉRITO da discussão sobre a descriminalização/despenalização do aborto no Brasil.

DIVERSAS MULHERES EM SITUAÇÃO DE FRAGILIDADE, QUE ESTÃO CONSIDERANDO REALIZAR UM ABORTO PROVOCADO, tem sido vítimas de um GOLPE em que são orientadas a pagar um boleto de aproximadamente R$ 1.400,00, recebido via email de alguém que se faz passar por uma organização estrangeira, e depois de pago dito boleto devem procurar o médico indicado para realizar o procedimento abortivo.

Já tinha conhecimento de um colega, aqui mesmo no bairro de Botafogo, vítima desse golpe. Ele foi surpreendido no consultório por quatro pacientes com o tal boleto pago. Obviamente, não tinha relação com nenhuma prática ilícita.

Recentemente foi minha vez. Recebi uma paciente vítima do mesmo golpe; felizmente não pagou o boleto que tinha como beneficiário "NATIONAL NETWORK OF ABORTION FUNDS" e veio antes checar a veracidade do "esquema".

PORTANTO DEIXO AQUI REGISTRADO PUBLICAMENTE à qualquer mulher que possa ser vítima desse golpe: NÃO CONHEÇO E NÃO PARTICIPO DE NENHUM ESQUEMA DE ABORTO PROVOCADO. Ainda estou começando a averiguar como meu nome foi parar nesta situação.

Aproveito para ALERTAR que nenhuma mulher se submeta a procedimentos desconhecidos/clandestinos de MANIPULAÇÃO UTERINA para abortamento provocado, pois, o mesmo pode resultar em complicações infecciosas, perfuração uterina e até mesmo a morte.

Infelizmente, o país ainda tem a avançar no debate deste importante assunto de saúde pública.

Atenciosamente,
Dr. Alberto Freitas

Abaixo publicações sobre o tema no Facebook.

Doença trofoblástica gestacional - Mola / Gestação molar

dtg.jpg

Doença trofoblástica gestacional (DTG), também conhecida popularmente como "mola" ou gestação molar.
Não é tão rara como imaginamos e necessita de tratamento e seguimento adequados para evitar o risco maior de malignização.

Assista no link matéria bastante informativa da GloboNews sobre a DTG:

"Um estudo mostra que uma a cada 200 mulheres que engravidam no Brasil desenvolve a pouco conhecida doença trofoblástica gestacional. A DTG dá origem a um tumor, que, em 30% dos casos, pode se tornar um câncer."


Mais sobre a pesquisa e o trabalho do Dr. Antônio Braga, apresentados na reportagem, nesta matéria da FAPERJ.

"Segundo Braga, o Brasil aparece no ranking mundial como um dos países com mais casos de DTG. "A doença é cinco vezes mais comum aqui do que nos Estados Unidos e 10 vezes mais prevalente do que na Europa. Ainda não sabemos o porquê dessa maior ocorrência no Brasil, mas as pesquisas já nos mostram alguns fatores que explicam o maior desenvolvimento desse mal em certos pacientes", afirma o pesquisador."

 

VEJA MAIS

Posts sobre GESTAÇÃO

Índice de Gineco.info

Primeiro nascimento após transplante de útero!

A ciência e a medicina nunca para de nos surpeender!

Veja abaixo o primeiro relato de NASCIDO VIVO após TRANSPLANTE DE ÚTERO MÃE-FILHA!

Imagem: reprodução site Fertility and Sterility.

Além do acontecimento por si só já ser surpreendente os detalhes o tornam ainda mais impactante: foi realizada uma fertilização in vitro com gestação alcançada na primeira transferência de apenas um embrião. Parto por cesárea com 34 semanas e 6 dias de gestação, portanto, um nascimento de um bebê prematuro. Porém, tudo acabou bem com recém nascido saudável de 2335 g! :-)

Optaram ainda pela realização de histerectomia (retirada cirúrgica do útero) três meses e meio após o parto.

Agora, já com 12 meses de vida, a criança segue saudável pesando 9,3 kg.
Avó (doadora do útero) e mãe também passam bem 3 anos após o transplante uterino.

 

Artigo completo (em inglês): https://www.fertstertdialog.com/users/16110-fertility-and-sterility/posts/10858-one-uterus-bridging-three-generations-first-live-birth-after-mother-to-daughter-uterus-transplantation

 

Veja Mais:

Índice de Gineco.info